Barcelona gastou seu caminho para a crise. Ele pode agora gastar seu caminho para fora?

O sorriso de Joan Laporta era difícil de ignorar. Olhando para baixo de um vasto outdoor digital no mês passado, a imagem sorridente do presidente do gigante do futebol espanhol FC Barcelona cobriu quase um lado inteiro do Palms Casino Resort em Las Vegas.

o Painel publicitário percorreu outras imagens – havia um dos poucos jogadores do Barcelona e outro de seu técnico, Xavi Hernández -, mas logo estava de volta a Laporta. E foi essa visão, um presidente radiante frente e centro na capital mundial do jogo, esse foi talvez o melhor simbolismo da bagunça financeira em que Barcelona se encontra atualmente e da confiança sem limites do homem que diz ter um plano para corrigi-la.

Barcelona, ​​no verdadeiro estilo de Las Vegas, está dobrando.

Uma equipe que há menos de um ano não conseguia cumprir sua enorme folha de pagamento; um negócio que, com perdas de 487 milhões de euros (496 milhões de dólares) no ano passado, foi descrito por seu próprio presidente-executivo como “tecnicamente falido”; um clube que atualmente está sobrecarregado com dívidas de mais de US $ 1,3 bilhão, decidiu que a melhor maneira de sair de uma crise causada por erros financeiros, salários ricos e contratos extravagantes é gastar.

Já vendeu um clube de ativos depois outro para arrecadar cerca de US$ 700 milhões para ajudar a equilibrar seus livros. No entanto, está avançando com um projeto de US$ 1,5 bilhão, com financiamento arranjado pelo Goldman Sachs, para renovar e modernizar seu icônico estádio, Camp Nou, que por causa da pressa em arrecadar fundos, pela primeira vez levará o nome de um patrocinador. E pagou mais dinheiro em novas contratações neste verão do que quase qualquer outro grande time da Europa, com uma nova aquisição chamativa anunciada com grande fanfarra aparentemente semanalmente.

Os gastos desenfreados levantaram as sobrancelhas entre os rivais do Barcelona e preocupações entre alguns de seus 150.000 membros sobre a viabilidade financeira do clube se a grande aposta de Laporta não der certo. Mas o presidente, em entrevista na sede do New York Times em Manhattan, ofereceu repetidas garantias de que sabe exatamente o que está fazendo.

“Eu não sou um jogador”, declarou Laporta. “Corro riscos calculados.”

O risco, no entanto, tornou-se uma constante no Barcelona.

Laporta foi eleito presidente de clube pela segunda vez no ano passado, depois que seu antecessor e a diretoria anterior foram expulso pelo que representou o colapso financeiro e esportivo simultâneo de um dos maiores times esportivos do mundo. Enquanto muitos esperavam que o Barcelona se reconstruísse lentamente, para viver dentro de suas possibilidades em um período de austeridade humilhante, Laporta decidiu guiar o Barcelona em um curso completamente diferente. Ele diz que não tem escolha a não ser tentar vencer todos os anos.

“É uma exigência”, disse.

Mais de US$ 700 milhões foram arrecadados com a venda de partes dos negócios do clube. Vinte e cinco por cento do clube direitos de televisão nacionais — por um quarto de século — foi para um fundo de investimento americano. Spotify, o serviço de streaming de música, assinou um contrato de quatro anos colocar seu nome no Camp Nou e os imóveis ainda mais valiosos na frente das camisas da equipe. Na segunda-feira, Barcelona anunciou a venda de um quarto de seu negócio de produção, Barca Studios, para uma empresa de blockchain, Socios. Está em negociações para vender parte de seu negócio de licenciamento em seguida.

Em vez de pagar a dívida do clube, no entanto, o dinheiro foi em grande parte para acumular novos talentos: US$ 50 milhões para o atacante polonês Robert Lewandowski, US$ 55 milhões para o zagueiro francês Jules Koundé, quase US$ 65 milhões para o ala brasileiro Raphinha. Vários outros jogadores se juntaram como gratuitamente agentes. Mais reforços podem ser a caminho.

Para Laporta, a contratação de Lewandowski, que em breve completará 34 anos, e os demais faz todo o sentido. É parte do que ele afirma ser um “ciclo virtuoso” no qual o sucesso em campo irá fortalecer as finanças da equipe por meio de um aumento na receita. A estratégia é uma repetição da receita que ele usou em seu primeiro mandato como presidente, um período de sete anos que começou em 2003 e terminou com um time do Barcelona celebrado como um dos melhores da história do futebol.

“Na minha época, colocamos as expectativas muito altas e fomos bem-sucedidos”, disse ele sobre seu mandato anterior. “E os torcedores do Barça em todo o mundo, cerca de 400 milhões de torcedores em todo o mundo, exigem um nível de sucesso.”

Mas os tempos e as receitas mudaram. O clube que Laporta herdou em 2003 também estava atolado em uma crise financeira, com perdas de quase o dobro de sua receita e dívidas crescentes. Mas os números eram 10 vezes menores naquela época, e o clube ainda não havia iniciado o processo de se transformar no gigante comercial que se tornou.

Essas equipes também não foram obrigadas a cumprir restrições exatas nos gastos dos jogadores que foram aplicadas pela liga espanhola, e são essas regras que representam o obstáculo mais imediato ao plano de renascimento de Laporta. Como a La Liga insistiu que não vai flexibilizar as regras em um único euro para o Barcelona, ​​o clube ainda não conseguiu registrar nenhuma das novas contratações deste verão. Com medo de que a equipe não cumpra o prazo, a liga ainda não usou nenhum desses jogadores, nem mesmo Lewandowski, o atual jogador mundial do ano, em nenhuma de suas marcas para a nova temporada.

As vendas de ativos mais recentes devem abrir caminho para o Barcelona cumprir as regras financeiras da La Liga e registrar seu batalhão de novas contratações, insistiu Laporta. “Essa foi uma decisão que, honestamente, eu não queria fazer”, disse ele sobre as vendas, mesmo porque elas vão – pelo menos temporariamente – empurrar o balanço do Barcelona para o lucro.

Esse tipo de manobra – um misto de ousadia e arrogância – é típico de Laporta, que se beneficia de um culto à personalidade inigualável por presidentes anteriores durante a história moderna do clube.

É por isso que ele pode se colocar em outdoors em Las Vegas, e por que ele pode continuar defendendo publicamente a vida curta e amplamente vilipendiada. Superliga Europeia. (Barcelona, ​​Real Madrid e Juventus – três das 12 equipes que se inscreveram para o conceito separatista – estão avançando com o projeto, que Laporta disse que agora está sendo previsto uma competição aberta que beneficiará as maiores equipes. Ele se encontrou recentemente com Andrea Agnelli e Florentino Pérez, seus homólogos da Juventus e do Real Madrid, em Las Vegas para discutir os próximos passos.)

Mas a popularidade de Laporta também é o motivo pelo qual ele pode se safar de riscos financeiros que provavelmente seriam inaceitáveis ​​se tivessem sido propostos por presidentes anteriores, e particularmente seu antecessor impopular, Josep Maria Bartomeu.

“O que aconteceria se Bartomeu fizesse o mesmo que o atual presidente está fazendo?” disse Marc Duch, um membro do clube que ajudou a derrubar a diretoria anterior. “Todos nós estaríamos pegando fogo, apontando para ele e tentando demiti-lo.”

Laporta recebe um espaço mais amplo e até apoiado por defensores fanáticos nas mídias sociais, disse Duch, por causa de seus vínculos com a era de ouro anterior. “Há uma história de sucesso por trás de Laporta”, disse Duch. “Ele tem uma base de fãs enorme: ele é como o Papa, como Kim Jong-un: o líder supremo.”

O estilo de liderança intensamente pessoal de Laporta também surgiu em outras mudanças no clube. Para concorrer à presidência, Laporta teve primeiro que levantar uma garantia de 125 milhões de euros, uma caução que foi estabelecida essencialmente como proteção contra má gestão. Mas os membros do clube recentemente concordaram em mudar as regras que significam que ele não tem mais nenhum risco pessoal, de acordo com Victor Font, empresário que desafiou Laporta para a presidência. Por causa disso, disse Font, Laporta – ao pedir dinheiro emprestado e vender ativos – está arriscando o futuro do clube, não o seu.

“Se as coisas não derem certo”, disse Font, “estaremos batendo em uma parede”.

As regulamentações de conflito de interesses também foram alteradas discretamente no ano passado, levando uma série de amigos de Laporta, ex-parceiros de negócios e até membros da família a cargos executivos. Para Laporta, essas mudanças foram essenciais diante do desafio que herdou. “Preciso ter as pessoas em quem confio”, disse ele. Mas o círculo continua a encolher: um executivo-chefe nomeado por Laporta se demitiu em poucos meses; em vez de substituí-lo, Laporta assumiu suas funções.

Ao mesmo tempo, ele teve que reconstruir a confiança com um grupo de jogadores e persuadir muitos a aceitar cortes salariais, em alguns casos no valor de milhões de dólares, ao mesmo tempo em que o clube está gastando somas de oito dígitos em novos talentos. Laporta descreveu os jogadores que aceitaram cortes salariais como “heróis” e insistiu que, reduzindo sua folha salarial e dispensando alguns jogadores com altos salários, os recém-chegados se encaixariam em uma estrutura salarial cuidadosamente elaborada. Mas o negócio de chegar lá nem sempre foi agradável.

Um jogador que até agora se recusou a aceitar um corte salarial ou uma mudança para um novo clube é Frenkie de Jong, um meio-campista holandês de 25 anos adquirido no verão de 2019 ao custo de quase US$ 100 milhões. De Jong foi objeto de intensa especulação durante todo o verão, já que o Barcelona pressionou publicamente para que ele concordasse com um salário reduzido – ele já havia concordado em adiar 17 milhões de euros (US $ 17,3 milhões) – ou aceitar uma mudança para um novo clube. (O Manchester United supostamente foi o licitante mais ansioso.)

Mas de Jong deixou claro que quer ficar na Espanha e, embora Laporta tenha declarado seu “amor” pelo jogador e dito que não estava à venda, acrescentou que De Jong precisava “ajudar o clube” reestruturando seu salário. Os sindicatos e o presidente da liga espanhola alertaram o Barcelona contra exercer pressão sobre De Jong e, em resposta, Laporta disse que seu clube pagará a De Jong o que ele deve. “Ele tem um contrato e nós seguimos o contrato”, disse Laporta.

Muito da situação atual do Barcelona, ​​ironicamente, pode ser atribuída à era de sucesso que desfrutou durante o primeiro mandato de Laporta. Esses times jogaram um tipo de futebol inigualável, produzindo uma série de troféus, mas também um time de superestrelas populares comandando salários cada vez maiores. Nenhum jogador personificou mais essa escalada do que Lionel Messi, cujo último contrato com o Barcelona valia cerca de US$ 132 milhões por ano.

À medida que as dívidas do Barcelona cresciam, no entanto, a contratação de Messi para um novo contrato que se alinharia com as regras financeiras da La Liga tornou-se impossível. Sem preço, Messi se despediu chorosa do Barcelona, ​​juntando-se ao Paris St.-Germain, do Qatar, como agente livre. Laporta, que havia prometido manter Messi como candidato presidencial, desde então sugeriu melancolicamente que gostaria de trazê-lo de volta.

“Sinto que tenho, como presidente, uma dívida moral com ele para dar a ele o melhor momento de sua carreira, ou dar-lhe um momento melhor, para o fim de sua carreira”, disse Laporta, sem dar explicações sobre como isso pode ser feito.

A relação, entretanto, está desgastada: Laporta, em campanha perpétua, continua a sugerir que tentará trazer Messi para casa. Messi já havia expressado sua frustração com a forma como Laporta caracterizou sua saída, e seu pai supostamente pediu ao presidente do Barcelona que pare de falar sobre seu filho em público.

A discussão de como resolver essa situação, porém, pode vir mais tarde. O mesmo vale para perguntas difíceis sobre onde o Barcelona continuará encontrando fluxos de receita cada vez maiores em uma economia pós-pandemia, ou sobre o que fará se não puder registrar todas as suas contratações, ou o que acontecerá no próximo ano, ou no ano seguinte, quando a conta de nove dígitos vence.

Laporta está vivendo no presente. “Vencer”, disse ele, “é uma motivação humana universal”.

Mas agora ele está sem tempo. Laporta termina educadamente a entrevista, dizendo que precisa sair correndo. Ele tem nomeação no Goldman Sachs para discutir um novo acordo de financiamento.



We would like to say thanks to the author of this short article for this incredible material

Barcelona gastou seu caminho para a crise. Ele pode agora gastar seu caminho para fora?


We have our social media profiles here , as well as additional related pages here.https://topfut.com/related-pages/