Leitura longa: Xhaka no passado, presente e futuro

Antes da partida da Emirates Cup no último fim de semana contra o Sevilla, nosso programa oficial da jornada conversou com Granit Xhaka para uma ampla entrevista.

Nosso meio-campista suíço estava em grande forma ao avaliar a pré-temporada e os recém-chegados ao elenco de Mikel Arteta, e discutiu sua relação com nossos torcedores, bem como suas expectativas para a temporada.

Aqui estão os melhores trechos:

O Sevilla tem um grande pedigree europeu, quanto será benéfico jogá-lo antes de voltar ao futebol europeu este ano?

É um grande, grande teste para nós. E faltam apenas alguns dias para jogarmos contra o Palace fora, mas será totalmente diferente do jogo do Palace. O Sevilla é um time que joga mais com a bola, tenta segurar a bola – um típico time espanhol. Mas isso é algo que podemos melhorar também, ver como eles fazem isso também, será muito bom para nós.

Há muitas novidades nesta temporada, vamos falar sobre as que você conhece até agora, começando com Matt Turner…

É muito bom ter as novas contratações, estamos muito abertos – não apenas com Matt, mas também com as outras contratações. Ele se encaixa muito bem nesta equipe e estou ansioso para vê-lo e os outros nos próximos meses e anos.

E Fabio Vieira, você já falou com ele?

Claro, sentamos juntos também no jantar, ele é muito aberto, ele é um cara engraçado. Ainda não vi muito em campo, é claro, por causa de uma lesão. Mas nós o conhecemos do passado. Claro, ele tem qualidade e vamos ver quando ele está apto o que ele pode dar ao time.

E Gabriel Jesus, você saberá da Premier League, o quão animado você está por ele se juntar a nós?

É muito emocionante. Em primeiro lugar, adoro sua atitude, sua fome de conquistar alguma coisa, de ganhar alguma coisa. Ele vem de uma equipe que já ganhou tudo e nos dá a fome, a crença e a qualidade. Mas também é um cara muito humilde. Muito aberto, você pode ser sério com ele, você pode brincar com ele. É disso que precisamos neste clube de futebol.

Como ele tem sido nos treinos?

Ele é um jogador de alta qualidade, muito rápido, muito afiado. Ele não tem medo de ir para uma bola 50-50. Com ele e Eddie agora na frente temos dois caras que podem ser muito perigosos para o adversário. Ele já marcou nos amistosos, espero que possa continuar fazendo isso.

E finalmente o jovem Marquinhos, o que você achou dele até agora?

Ele me lembra Gabi Martinelli quando ele veio pela primeira vez, todo mundo estava dizendo ‘sim, ele vai para o sub-23 primeiro’ e coisas assim, mas como a Gabi se adaptou nesse nível foi inacreditável, e eu tenho o mesmo sentimento com o Marquinhos como Nós vamos. Para a idade ele é muito desenvolvido fisicamente, muito rápido, bom pé esquerdo. Claro, ele precisa se adaptar a esse nível primeiro, a este país também, mas vejo um grande futuro para esse cara.

Esperamos que as novas contratações possam nos ajudar a seguir em frente desde a temporada passada, quando tivemos muitos altos, mas também alguns baixos. Como você resumiria a temporada como um todo?

Sim, no final não conseguimos o que queríamos. Tínhamos tudo em nossas mãos. É por isso que ficamos muito, muito decepcionados, claro, mas acabou, não podemos mudar nada, o que podemos mudar é o futuro e o futuro começou na pré-temporada, que incluiu as novas contratações que estão fazendo um trabalho muito bom. já, muito bom com seus companheiros, muito aberto, muito humilde. Eles sabem o que querem e tentamos ajudá-los e estou ansioso para começar a temporada.

Um dos pontos altos da temporada passada certamente para os fãs e você mesmo teria sido o seu ‘Xhaka boom!’ contra o Manchester United. Como isso se classifica entre seus melhores momentos com a camisa do Arsenal?

Sim, depois do que aconteceu, tudo entre os fãs, as pessoas e eu acho que esse foi um dos momentos mais legais desde que estou neste clube de futebol. Depois do gol também, do feedback, do momento no estádio, me senti muito bem, muito feliz. Mas também feliz pelos três pontos que conquistamos naquele dia.

Você mencionou os torcedores, falou um pouco na temporada passada sobre sua relação com os torcedores do Arsenal, como tem sido para você desde então?

Muito bom, eu sempre quis mudar as coisas para ficar bem com eles. Sempre respeitei as pessoas. Houve um momento em que nós dois talvez estivéssemos nos entendendo mal, mas isso acabou para mim. Sinto muito, muito mais amor das pessoas de fora e meu trabalho é dar a eles algo de volta em campo. Eles sabem como eu sou. Dou sempre 100 por cento a este clube de futebol, às vezes bem, às vezes menos, mas o amor que sinto no momento é muito, muito bom.

Você obviamente achou importante passar sua mensagem para os torcedores do Arsenal. Por que era tão crucial ter a sua opinião?

Veio de dentro de mim. Algo de talvez dois anos atrás, mas também para o futuro. Para mim, tenho quase 30 anos agora e era importante falar não apenas por mim, mas também pelo futuro dos jovens jogadores que temos aqui, que têm 19, 20, 21 anos. Espero que ninguém compartilhe essa experiência que tive, e que diga também aos fãs que não é tão fácil.

Não é a melhor maneira de fazer algo contra um jogador, e talvez essa mensagem tenha surgido também. Para nos apoiar – como posso dizer – cada um de nós dá tudo a este clube de futebol. Às vezes está indo bem, às vezes menos. Mas para nos apoiar para nos ajudar, para estar conosco. Porque o que queremos é que este clube de futebol alcance o máximo possível. Cada um de nós quer isso.

Mikel Arteta terá apoiado você nesse processo de falar com os fãs. Quão importante ele tem sido, e seu relacionamento com ele nas últimas temporadas?

Quero dizer, não é possível descrever em palavras e agradecer a ele. Porque, como você diz – ele estava sempre me apoiando. Eu tentei sempre dar a ele também, algo de volta. Eu me sinto muito feliz, e me sinto em casa aqui também. Não só para Mikel, mas para os companheiros de equipe, para o clube. Eu quero dar-lhes algo de volta. Eu tento isso no dia a dia, e claro quando você tem pessoas por perto para te apoiar, para te ajudar. É muito mais fácil fazer isso.

Como um dos jogadores mais experientes da equipe, como é seu relacionamento com Mikel fora de campo?

Muito bom. Muito honesto, muito aberto. É assim que eu também sou, e ele é o mesmo. Ele quer ter essa clareza, eu sempre tenho uma conversa aberta com o treinador.

Qual o papel que você desempenha no apoio a Mikel, na integração de novos jogadores e no vestiário?

Acho que não sou só eu, mas outros jogadores têm muita experiência. Claro que o treinador, ele está lá conosco no vestiário, em campo. Às vezes ele também não está lá, então é nosso trabalho como jogadores experientes juntar o time. Para dizer isso temos que acreditar em nós mesmos porque temos um elenco muito jovem. Mas os jovens estão nos ouvindo, estão tentando também usar as palavras que damos a eles, para melhorar, e tenho a sensação de que estamos em um caminho muito bom.

A temporada da Premier League está se aproximando rapidamente. O que esta equipe do Arsenal pode alcançar nesta temporada?

As contratações que fizemos nos dão algo mais do que vencer, nos dão a mentalidade de como vencer e a qualidade, é claro. É como um quebra-cabeça, você precisa da qualidade, claro, mas se não se encaixar com a equipe, é muito difícil conseguir algo. As contratações se encaixam muito bem no time, ano a ano melhoramos muito. É mais fácil falar do que fazer, com certeza, mas tenho uma sensação muito boa de que estaremos prontos para o início contra o Crystal Palace fora de casa e vamos ver e torcer para que possamos alcançar os objetivos que temos.

Parece um pouco estranho antes da nova temporada saber que há uma Copa do Mundo no meio dela? Quanto isso afeta sua preparação e como você vai para a nova temporada?

Claro, será algo especial, a Copa do Mundo. Mas, para ser sincero, não estou pensando nem um segundo na Copa do Mundo, porque ainda faltam quatro ou cinco meses. Meu foco está totalmente aqui e depois quando chega a hora da Copa do Mundo, claro que é diferente, mas talvez não seja tão ruim para nós jogadores da Premier League porque no final da temporada acho que estamos mais cansados ​​do que outras ligas porque tem tantos jogos, mas vamos ver. É muito especial, a Copa do Mundo no inverno, pela primeira vez e estou ansioso por isso.

Pegue o programa de Sevilha aquiou se você quiser entrevistas mais aprofundadas e recursos como este, inscrever-se para uma assinatura de uma temporada.

Copyright 2022 The Arsenal Football Club plc. A permissão para usar citações deste artigo é concedida sujeita ao crédito apropriado sendo dado a www.arsenal.com como fonte.

We want to say thanks to the writer of this post for this incredible web content

Leitura longa: Xhaka no passado, presente e futuro


Check out our social media accounts and other pages related to themhttps://topfut.com/related-pages/